Cidades da Zona da Mata recebem Semana do Microempreendedor Individual em maio

Na primeira quinzena de maio, o Sebrae Minas realiza a Semana do MEI em nove cidades da regional Zona da Mata e Vertentes. A ação tem como objetivo proporcionar atendimentos e capacitações ao microempreendedores individuais da região. As atividades gratuitas incluem oficinas, palestras, atendimentos sobre gestão financeira, orientações sobre direitos e obrigações que o MEI possui (legislação, pagamento do DAS, realização da Declaração Anual de Faturamento, etc.), além de formalização para quem deseja se tornar MEI.

As atividades ocorrem em Juiz de Fora (9 a 12/05), Carandaí (8 e 9/05), São João del-Rei (08 a 12/05), Muriaé (9 e 10/05), Cataguases (8 a 11/05), Ubá (8 e 9/05),Ponte Nova (8 a 10/05), Manhuaçu (9 a 11/05) e Viçosa (8 a 10/05).

 

MEI em Minas

O Brasil já soma cerca de 7 milhões de Microempreendedores Individuais (MEI). Minas Gerais continua sendo o terceiro estado com maior número de formalizações, 770 mil até março de 2017. Dessas formalizações, aproximadamente 47% foram feitas por mulheres e 21% dos que viraram MEI eram empreendedores com mais de 51 anos. Além disso, dos formalizados no estado, 1.135 eram estrangeiros, sendo o maior número de portugueses, chineses e argentinos.

A região da Zona da Mata e Vertentes representa uma parcela representativa deste total e alcança o 2º lugar na lista de Minas Gerais, com mais de 92 mil MEIs ou 12,05% do total do estado. A região Centro é a que registra o maior número, com 288.771 de MEIs cadastrados. Em relação aos municípios, Juiz de Fora alcança o 4º lugar no estado e o 1º na região, com um total de 22.432 MEIs formalizados. Em seguida aparecem Barbacena  (4.236), Muriaé (3.868) e São Joao del-Rei (3.312) em 2º, 3º e 4º lugares na lista da região.

 

Programação Juiz de Fora

Local: Sebrae Minas (Rua Olegário Maciel, 436 – Santa Helena)

Inscrições e informações: (32) 3257-4708 / 4709 / 4712 / 0800 570 0800

 

09/05

14h às 16h: Palestra Melhore suas vendas com criatividade – foco para a feira de artesanato

14h às 16h: Lançamento do Projeto Adotando um MEI pelas empresas juniores de Juiz de Fora

16h às 18h: Palestra Como fazer a Declaração do MEI (DASN) e realização da declaração para os participantes

16h às 18h: Palestra Como emitir a nota fiscal de produtos (passo a passo)

16h às 17h30: Consultoria individual em marketing

18h30 às 20h30: Palestra Linhas de crédito do Banco do Brasil

18h30 às 20h30: Palestra Internet e suas oportunidades de negócio

 

10/05

9h às 10h30: Palestra Como fazer a Declaração do MEI (DASN) e realização da declaração para os participantes

9h às 10h30: Palestra Linhas de crédito da Caixa Econômica Federal

10h30 às 12h: Palestra Exigência da Vigilância Sanitária para o setor de alimentação

10h30 às 12h: Palestra INSS para o MEI

14h às 16h: Palestra Linhas de crédito do Banco Bradesco

14h às 16h: Palestra Qualidade no atendimento ao cliente (fazendo a diferença)

16h às 17h30: Consultoria individual em marketing

16h às 18h: Palestra Como fazer a Declaração do MEI (DASN) e realização da declaração para os participantes

16h às 18h: Palestra Como emitir a nota fiscal de serviços (passo a passo)

18h30 às 20h30: Palestra Estratégia para encantar e reter clientes

18h30 às 20h30: Palestra Facebook para pequenos negócios

 

11/05

9h às 10h30: Palestra Como fazer a Declaração do MEI (DASN) e realização da declaração para os participantes

9h às 10h30: Palestra Linhas de crédito do Banco SICOOB

10h30 às 12h: Palestra Como contratar um funcionário (passo a passo)

10h30 às 12h: Palestra Facebook para pequenos negócios

14h às 16h: Palestra Linhas de crédito do Banco Itaú

14h às 16h: Palestra Internet e suas oportunidades de negócio

16h às 17h30: Consultoria individual em marketing

16h às 18h: Palestra Como fazer a Declaração do MEI (DASN) e realização da declaração para os participantes

16h às 18h: Palestra INSS para o MEI

18h30 às 20h30: Palestra Soluções dos Correios para sua empresa

18h30 às 20h30: Palestra Qualidade no atendimento ao cliente (fazendo a diferença)

 

12/05

9h às 10h30: Palestra Como fazer a Declaração do MEI (DASN) e realização da declaração para os participantes

9h às 10h30: Palestra Linhas de crédito do Banco Santander

10h30 às 12h: Palestra Inovação e tecnologia (Como o Sebrae pode ajudar, por meio do Sebraetec)

10h30 às 12h: Palestra Internet e suas oportunidades de negócio

14h às 16h: Palestra Como fazer a Declaração do MEI (DASN) e realização da declaração para os participantes

14h às 16h: Palestra Melhore suas vendas com criatividade (fazendo a diferença)

16h às 18h: Palestra Administre sua empresa para ser mais competitiva

16h às 18h: Oficina Como ser MEI na prática (com a formalização dos participantes aptos)

Este material foi produzido pela Agência Sebrae de Notícias e reproduzido com contribuições do Núcleo de Comunicação do GDI-Mata.

Workshop em Juiz de Fora discutirá potencial mercadológico da cultura da Macaúba na região

A Prefeitura de Juiz de Fora (PJF), em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Gado de Leite) e a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater MG), realizará, na próxima semana, o Workshop “A Cultura da Macaúba: aspectos produtivos, ambientais e mercadológicos voltados para a região da Zona da Mata Mineira”. O evento é gratuito e acontece no dia 27, a partir das 8h15, no Auditório José Aroeira, na Embrapa Gado de Leite, localizada na Rua Eugênio do Nascimento, 610 – Bairro Dom Bosco.

Destinado a produtores rurais, profissionais das áreas agrícolas, biológicas, bioquímica e ambientais, lideranças políticas e estudantes, o evento tem como objetivo apresentar e discutir a cultura da macaúba, seus aspectos agronômicos e o potencial mercadológico na Zona da Mata mineira. A programação inclui palestras e mesa redonda com técnicos, especialistas e doutores. O Workshop conta com o apoio do Governo de Estado de Minas Gerais, Emater-MG, Universidades Federais de Juiz de Fora, Viçosa e Lavras, Grupo de Trabalho, Desenvolvimento e Inovação na Mata Mineira (GDI-Mata), Ubrabio, Gol Linhas Aéreas e Curcas Diesel Brasil.

Sobre a macaúba

A cultura da macaúba, palmeira nativa do Cerrado e Mata Atlântica, apresenta uma elevada produtividade na fabricação de óleos e biomassa proteica e se apresenta como uma alternativa em processos de reflorestamentos, compensações, recuperação de áreas degradadas e aumento da recarga hídrica de mananciais e cursos-d´água, garantindo, ao mesmo tempo, a recuperação ambiental e o aumento da renda média das propriedades rurais. O secretário de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo, João de Matos, destaca a importância do evento para atender à demanda dos representantes do setor do agronegócio.

“Vemos a possibilidade de o projeto de implantação de um centro produtor de macaúba na Zona da Mata fazer com que produtores rurais possam auxiliar na preservação de mananciais em suas propriedades e aumentar a renda com subprodutos extraídos, que podem ser matéria-prima para a produção de alimentos, cosméticos, produção de energia e combustíveis renováveis”. O projeto de implantação de um centro produtor de macaúba e o desenvolvimento de sua cadeia produtiva na região surgiu a partir da “Agenda de Desenvolvimento da Zona da Mata”, instituída em 2011, formada por lideranças empresariais, políticas e sociedade civil da Zona da Mata, como forma de intensificar o desenvolvimento socioeconômico regional.

“Em 2013, a Prefeitura de Juiz de Fora ratificou seu compromisso institucional com a Agenda e com o desenvolvimento regional, criando em sua estrutura uma Coordenação de Projetos. Foram, então, elencados projetos estratégicos que favorecem o desenvolvimento da região, como é o caso o projeto da macaúba, que tem por objetivo central diversificar e fortalecer as atividades agropecuárias na Zona da Mata a partir dos princípios da sustentabilidade”, explica o coordenador da Agenda, Jackson Fernandes.

Integração com o Programa Produtor de Águas

O secretário de Meio Ambiente, Luis Claúdio Santos Pinto, explica que “a iniciativa do projeto sobre a macaúba é uma derivação do Pagamento por Serviços Ambientais, lei de origem do Executivo, que visa a estimular os produtores no trato sustentável e econômico de suas propriedades, assim como o Programa Produtor de Águas, que busca remunerar os produtores rurais pela proteção dos recursos hídricos, de forma a aumentar e melhorar a qualidade da água no município”.

A lei foi sancionada em 2016, criando as bases legais para implantação do Programa, destinado a estabelecer ações que visam a melhorar a qualidade e elevar a geração do volume de água nos mananciais estratégicos: Represa Dr. João Penido e Ribeirão Espírito Santo. Para Jackson Fernandes, a convergência de objetivos observadas entre o Programa Produtor de Águas e o Projeto da Macaúba na Zona da Mata e a integração operacional de ambos projetos criam uma escala capaz de gerar importantes impactos sustentáveis na Zona da Mata e em Minas Gerais. “Pode, inclusive, contribuir significativamente com as metas ambientais assumidas pelo governo brasileiro na ONU, formalizadas no Acordo de Paris e de Marrakesh”, destaca.

Alternativa sustentável para produção de combustíveis renováveis

A qualidade do Projeto da Macaúba na Zona da Mata chamou a atenção da União Brasileira do Biodiesel e do Bioquerosene (Ubrabio), que vem desenvolvendo ações destinadas a viabilizar a produção de bioquerosene de aviação no país, através da “Plataforma Brasileira do Bioquerosene”, como forma de reduzir as emissões de carbono do setor. Durante a Conferência Internacional da Organização da Aviação Civil Internacional (Icao), órgão ligado à Organização das Nações Unidas (ONU) responsável por definir as políticas internacionais do setor, realizada no Canadá, em fevereiro de 2017, a entidade listou e apresentou o Projeto da Macaúba na Zona da Mata, elevando o seu potencial de receber, futuramente, recursos internacionais oriundos do fundo do clima.

Apoiadora do Workshop, a Superintendência de Desenvolvimento Agropecuário da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento tem como uma das atividades prioritárias incentivar ações que tenham como premissa o fortalecimento e a ampliação das atividades inseridas na cadeia produtiva do biodiesel em Minas Gerais. “Entendemos que, por meio do incentivo à inclusão do extrativismo e da inserção da agricultura familiar na cadeia produtiva do biodiesel, daremos maior visibilidade e fomento para a expansão da produção de macaúba”, destaca o coordenador da Agroenergia na Superintendência, Kamil Cheab, também palestrante do evento.

Ele reitera que a implementação e execução de projetos, planos e ações que envolvam a cadeia produtiva da macaúba podem, não só possibilitar a estruturação de informações e tecnologias necessárias para o extrativismo sustentável de maciços naturais, bem como levar ao agricultor as informações necessárias para o manejo adequado da cultura: “Tais iniciativas têm papel fundamental para destacar o potencial da macaúba no conjunto de matérias-primas para a produção de biodiesel no Brasil e dar maior visibilidade aos diversos produtos originados do seu processamento”. O presidente da Curcas Diesel Brasil, Mike Lu, ratifica a importância do Workshop: “Parabenizo a Prefeitura pela iniciativa deste importante evento, orientado para a inserção da região no segmento de biomassa sustentável para produção de biocombustíveis e renováveis. A macaúba é uma das matérias-primas mais promissoras da biodiversidade brasileira e deverá ser o vetor de desenvolvimento sustentável da região”, declara.

Clique aqui e confira a programação completa do workshop.

Outras informações:

(32) 3690-8341 (Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo – Sedettur)

Este material foi produzido pela Assessoria de Comunicação da Sedettur e reproduzido com contribuições do Núcleo de Comunicação do GDI-Mata.

Reginaldo Arcuri destaca oportunidade para reaquecer a economia regional em palestra promovida pelo GDI-Mata

“A inovação não deve ser um fenômeno que se espera, mas sim um resultado que se produz”, enfatizou o presidente do Grupo FarmaBrasil, Reginaldo Arcuri, ao ministrar a palestra “A indústria farmacêutica nacional: balanço e perspectivas” na noite de ontem (24), a convite do Grupo de Trabalho Desenvolvimento e Inovação na Mata Mineira (GDI-Mata). O evento reuniu representantes do poder público, entidades representativas, empresários do ramo e pesquisadores de diversas áreas para discutir a situação do setor, as políticas a ele dirigidas e seus desdobramentos para o sistema de saúde e a economia brasileira.

Para a secretária municipal de saúde, Elizabeth Jucá, o encontro reforçou a importância de se considerar os impactos diretos e indiretos do desenvolvimento econômico no fortalecimento do sistema de saúde. “É preciso pensar sempre nessa perspectiva. Desenvolvendo a cidade, aumentamos a arrecadação tributária e, consequentemente, direcionamos mais recursos para a área. Além disso, se estimularmos cada vez mais a pesquisa voltada para a indústria farmacêutica, também nos ajudamos localmente, barateando a aquisição de insumos ou mesmo a logística desse processo”, destaca ela.

“Na virada do século XIX para o século XX, Juiz de Fora era um cluster de inovação”, avaliou Arcuri. “Tínhamos excelentes colégios, um sistema financeiro próprio e introdução de tecnologias totalmente disruptivas – tais como a energia hidroelétrica e a telefonia. Somado isso, contávamos com um grupo para um grupo empresarial e um conjunto de profissionais de excelente qualidade, capacitados para operar as indústrias. Durante um breve momento, isso mostrou que podíamos criar inovação e gerar desenvolvimento, um movimento que pode ser reproduzido. Para isso, precisamos de articulação, objetivos, esforço e dedicação”.

Ainda segundo Arcuri, não é necessário criar iniciativas do zero, “mas utilizar as potencialidades das instituições da região e vetorizá-las, fazendo com que a união de forças promova as mudanças necessárias e gere resultados”, opinião reforçada pelo Diretor de Inovação da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Ignacio Delgado. Para ele, o evento revelou uma grande capacidade de mobilização que na qual a cidade pode investir, sobretudo na consolidação do Complexo Econômico e Industrial da Saúde (Ceis), envolvendo empresas de medicamentos e de equipamentos médicos, bem como a Universidade, com suas expertises.

“O tema é instigante e o interesse reuniu pesquisadores da Química, Medicina, Farmácia e Biologia. A ocasião deve ser reconhecida, pois provocou o diálogo entre o ambiente acadêmico e um representante de uma indústria farmacêutica de capital nacional que, por meio da inovação, vem conseguindo alcançar uma posição importante no mercado brasileiro e se projetando no internacional”, comenta Delgado. “Essa convergência mostra que a cidade tem uma vocação nessa direção, e que esse pode ser um caminho para a afirmação da economia regional”.

 

Trabalho em rede

O GDI-Mata é uma iniciativa oriunda de uma articulação iniciada em junho deste ano e é aberta à participação e colaboração de organismos e entidades empenhados no desenvolvimento regional. Seu objetivo é a revitalização da economia da Zona da Mata mineira, por meio da cooperação das instituições de ensino e pesquisa com o poder público, entidades e setores empresariais, visando à elevação da capacidade e da disposição das empresas da região para inovar. Com isso, o Grupo espera favorecer o desenvolvimento sustentável e o bem estar social.

Em julho do ano passado, a UFJF, a Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) e outras nove entidades assinaram uma Portaria conjunta e uma Carta de Intenções, oficializando a criação do Grupo. Desde então, as entidades que forma a rede do Grupo vem trabalhando organizadas em cinco áreas temáticas: Agronegócio, Comércio, Indústria, Serviços e Turismo; e viabilizando, por meio do Portal de Negócios e Inovação lançado em outubro, parcerias e convênios entre setor produtivo e instituições de pesquisa da região.

 

Outras informações: (32) 2102-3435 (Núcleo de Comunicação do GDI-Mata)